Accessibility
  • Change text size

    • Normal Text
    • Medium Text
    • Large Text
  • Contrast

    • Black&white
    • High
    • Normal
  • Display

    • Cursor White
    • Cursor Black
  •  

You are here

Haifa Blog

11Jul2023

Num mundo ameaçado pela superpopulação, a fome e os riscos ambientais - Israel oferece soluções

O mundo enfrenta os perigos inquestionáveis da superpopulação, de entre outros desafios globais significativos, com ênfase especial na diminuição dramática do abastecimento de alimentos que, sem a inovação e soluções sustentáveis, seguramente se irá traduzir em carências nutricionais graves e fome a nível global.
 
O rendimento global da agricultura é afetado por múltiplos fatores políticos, comerciais e ambientais, consoante a humanidade enfrenta desafios cada vez maiores. O Estado de Israel representa um farol de esperança, tanto na presente crise alimentar global, quanto em relação ao que devemos esperar para o futuro.
 
O Fundo Monetário Internacional prevê que, no seguimento da Pandemia do Coronavírus, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia e a ronda atual de restrições monetárias, o crescimento em 2023 irá abrandar, alcançando uma taxa inferior à média e colocando um desafio significativo à frágil estabilidade financeira global. As economias que dependem da agricultura tradicional como a sua base nutricional enfrentam um risco ainda maior, dada a sua maior exposição a fatores externos, tais como eventos de clima extremo, que podem danificar significativamente as colheitas agrícolas. Estes países estão altamente expostos aos riscos da insegurança alimentar, da fome e da desnutrição. As recentes alterações globais só exacerbaram a necessidade de cada país de manter a independência da sua segurança alimentar livre de tais aspetos externos.
 
Adicionalmente, olhando para o futuro, conforme a população mundial continua a expandir, as áreas agrícolas disponíveis para cultivo de alimentos e pasto para gado estão a diminuir. Como a própria agricultura contribui para o aquecimento global e para a crise climática, o setor agrícola deve priorizar soluções inovadoras que aumentem significativamente os rendimentos por metro quadrado de solo, e assim, mitigar os danos ambientais. Essa é a única maneira de satisfazer tanto a procura crescente por alimentos, como para assegurar que a indústria agrícola é reforçada e se posiciona como sustentável.
 
Sem a revolução do fertilizante nitrogenado, que começou à cerca de cem anos no seguimento do desenvolvimento do inovador "processo Haber–Bosch", assim denominado pelos seus criadores, os laureados com o prémio Nobel, Fritz Haber e Karl Busch, não teria sido possível alcançar os volumes de colheitas agrícolas necessários para garantir a procura por alimentação da crescente população global. Os fertilizantes nitrogenados são produzidos pela sequestração de nitrogénio da atmosfera para produzir amónia, que é usada para produzir fertilizantes nitrogenados. A investigação estima que, sem os mesmos, não seria possível alimentar 50% da população mundial atual. No entanto, a realidade ambiental atual torna essencial o desenvolvimento e implementação de técnicas inovadores para fazer crescer e para gerir a economia agrícola.
 
Isto porque, o que era antes uma técnica inovadora, conduziu ao fenómeno do "Excesso de Fertilização". De facto, as práticas agrícolas familiares acumulam fertilizantes de base nitrogenada, potássio e fosfato, que "enriquecem" a composição do solo para resultar nos aumentos de colheita necessários. No entanto, uma porção significativa desses ingredientes não abordam as reais necessidades das colheitas. De facto, percentagens significativas dos componentes dos fertilizantes não contribuem verdadeiramente para a planta, e constituem um desperdício de recursos que, infelizmente, em muitos países, até é subsidiado pelos governos. Para piorar a situação, o excesso de fertilização produz danos ambientais tremendos, alterando a composição do solo, cansando lixiviação e contaminação das águas subterrâneas e emissões de gases que danificam a camada de ozono e contribuem para o efeito de estufa.
 
O excesso de fertilização tem origem no desejo de maximizar os rendimentos, caracterizado pela falta de meios e proficiência e pela ausência de instrumentos de monitorização convenientes para otimizar o processo de fertilização. Como foi mencionado acima, o excesso de fertilização até recebe subsídios governamentais e, muito provavelmente, é apoiado pelas próprias indústrias que beneficiam das enormes quantidades de fertilizantes que vendem.
 
No entanto, o sector agrícola pode potencialmente tornar-se um motor gerador de impacto que pode ajudar a lidar com os desafios climáticos. Como a nutrição da planta é a chave para a segurança nutricional global, temos de garantir que as práticas de aplicação são as mais eficientes e precisas, e expandir a utilização de nutrientes inteligentes, únicos, de modo a aumentar os rendimentos enquanto se diminui o impacto adverso para o ambiente.
 
A utilização cuidadosa de fertilizantes conduziria a uma utilização otimizada de nutrientes pela planta sem que se percam no solo, nas águas subterrâneas ou no ar. Os fertilizantes especiais podem assegurar maiores rendimentos com uma utilização inferior de nutrientes e de água, para que os resultados da agricultura aumentem, os custos diminuam e o impacto ambiental seja mitigado.
 
Muitas regiões no mundo ainda não implementam estas práticas, e estas lacunas só podem ser colmatadas com o conhecimento, tecnologia e métodos de trabalho adequados, tudo conduzindo a uma utilização ótima de nutrientes. Primeiro, e acima de tudo, no entanto, os responsáveis governamentais têm de ser consciencializados da urgência em promover a agenda da "agricultura de precisão".
 
A agricultura israelita desenvolveu-se em condições desafiadoras, nas quais o solo e a água são escassos, pelo que fornece atualmente soluções tecnológicas críticas para desafios globais. Com mais de 70 anos de experiência no desenvolvimento de agricultura no deserto ou em condições semi-áridas, Israel tornou-se um líder mundial na inovação agrícola. Por exemplo, para aumentar o rendimento por metro quadrado, foram desenvolvidas tecnologias para aperfeiçoar a irrigação e fertilização através de uma metodologia que foi apelidada de "fertigação" - aplicando com precisão água e fertilizante no sistema radicular, fornecendo assim uma solução ótima, profissional, ambiental e eficiente em termos de custos para as necessidades em mutação constante das várias colheitas sob condições de cultura e territórios relevantes. A nutrição precisa da planta é vital para o impacto ambiental, economizando nas quantidades gerais de fertilizante, garantindo uma redução significativa no transporte e aplicação no solo, economias de energia relacionadas com a produção e proteção ambiental ao evitar os derrames para as águas subterrânea, a lixiviação de superfície para os rios ou a perda para a atmosfera.
 
Ao longo dos anos, o Estado de Israel tem partilhado o seu conhecimento e experiência acumulados com outras nações, e hoje muitos países em todo o mundo praticam pulverização foliar ou fertigação para fornecer nutrientes às plantas de forma eficaz. No entanto, isto é ainda apenas o início. Por exemplo, inúmeras empresas fabricam e instalam sistemas de irrigação gota-a-gota na Índia, um vasto país agrícola. Porém, apenas 5% dos sistemas gota-a-gota instalados previamente implementam a aplicação de fertilizantes junto com a irrigação. Essa taxa de adoção é demasiado baixa, e o potencial para economias de recursos e danos ambientais continua enorme. Estes fatores devem ser considerados pelos governos.
 
Até à data, a indústria agrícola e de nutrição de plantas em Israel tem desenvolvido soluções tecnológicas sustentáveis que lidam com os desafios da agricultura utilizando satélites, sensores, IA (inteligência artificial), big data e muito mais. Estes desenvolvimentos, que tornam os produtos israelitas altamente desejáveis, fazem progredir o mundo da agricultura para a linha da frente da tecnologia e da inovação, adaptando-se às tendências globais e cumprindo com normas e regulamentos ambientais estritos. Para além do nosso estatuto de nação start-up e superpotência Hi-Tech, também temos de alavancar a nossa reputação como potência agrícola/agro-tech, combinando a tecnologia e a agricultura para abordar de forma inteligente e eficaz os desafios globais.
 
Temos de continuar a liderar a mudança na agricultura, tanto para nosso benefício como em prol das gerações futuras. Temos de continuar a desenvolver tecnologias avançadas, e toda uma gama de soluções que possam garantir altos rendimentos, minimizem o uso de recursos e reduzam as perdas para o ambiente, mitigando assim a pegada ambiental e gerando segurança nutricional.
 
 O desenvolvimento continuado de produtos, tecnologia e soluções em termos de nutrição de plantas, e a disseminação desse conhecimento a nível mundial, pode fortalecer o estatuto israelita enquanto um ator significativo e um líder na mudança positiva para enfrentar os desafios globais da alimentação, da agricultura e do clima.
 






 
 

You may also be interested in this